Apesar de atrativos, os investimentos de curto prazo demandam muita organização, planejamento, educação financeira e atenção na liquidez desse tipo de investimento. Sendo assim, o indicado é que você fuja dos investimentos com alto risco e com baixa liquidez, pois, como resgatará a sua aplicação em pouco tempo, não correrá riscos de acabar com a sua rentabilidade.

Para isso, é preciso que você tenha um bom planejamento financeiro e amplo controle do seu orçamento, para que tenha conhecimento de quanto poderá investir. Como os investimentos de curto prazo rendem a partir do primeiro dia, esteja atento também aos custos de operações para que não saia no prejuízo.

Para isso, preparamos, neste post, 6 investimentos de curto prazo que você pode optar. Confira:

Certificado de Depósitos Bancários (CDB)

O CDB nada mais é do que um empréstimo que você fará aos bancos para que ele possa realizar diversas transações financeiras. Como lucrar? Com os juros arrecadados. Sendo assim, é considerado um investimento de curto prazo e seguro.

Aplicando no CDB, você estará amparado pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC), que garante proteção em caso de falência dos bancos em investimentos até R$ 25 mil por instituição financeira aplicada ou por CPF.

No entanto, os bancos não costumam repassar o valor total dos rendimentos em um prazo inferior a três anos, então é preciso se planejar ou escolher títulos de instituições financeiras de menor porte para que o resgate possa ser feito em um período menor.

Letras de Crédito Imobiliário (LCI)

As Letras de Crédito Imobiliário são aplicações transformadas em créditos que serão usados para financiar imóveis. Esse empréstimo é disponibilizado por instituições financeiras. Outra vantagem desse investimento de curto prazo é a isenção da declaração do Imposto de Renda.

Com isso, também é um investimento seguro e amparado pelo FGC em caso de perdas. A liquidez do LCI fica na escala entre 3 e 24 meses.

Fundos DI

Os fundos de DI são aplicações de curto prazo ligados ao Certificado de Depósitos Interbancário (CDI) e também são referentes à taxa Selic. Com isso, disponibilizam aplicações pós-fixadas, ou seja, a sua rentabilidade poderá aumentar ou diminuir de acordo com as condições da Selic. Geralmente, é a escolha dos investidores que buscam um fundo para manter reservas para futuras eventualidades ou emergências.

Além de apresentarem baixo risco, têm boa taxa de liquidez e são uma ótima escolha para quem está iniciando no mundo dos investimentos. Mas são muito utilizados também por investidores experientes que buscam diversificação segura.

Para que você não seja prejudicado, é preciso tomar alguns cuidados e prestar atenção em algumas questões. Para que os Fundos de DI sejam vantajosos, a taxa de operação ou administração não deve ultrapassar os 0.5% ao ano. No mais, esse investimento não disponibiliza nenhuma garantia, então fique atento ao valor pago pelo banco em relação ao CDI para saber sobre a sua rentabilidade.

Letras Financeiras do Tesouro (LFT)

É uma opção de aplicação na modalidade de títulos públicos do Tesouro Direto. Apresenta uma rentabilidade que vai de acordo com a taxa de juros da economia, ou seja, da Selic. Apesar de apresentarem um rendimento menor, comparado a outros investimentos, as LFT não apresentam retorno negativo em nenhum dia de aplicação. Com isso, é possível resgatar os seus recursos em poucos meses.

Contudo os investidores dessa modalidade devem pagar, anualmente, uma taxa de 0.3% referente ao Imposto de Renda. Em contrapartida, ainda sim são uma ótima escolha para você que está buscando por investimentos de curto prazo.

Existe ainda a opção de optar pelo sistema de recompra diária vinculada ao Tesouro Direto, que lhe possibilitará revender os seus títulos públicos, garantindo maior rentabilidade e menor prazo de resgate.

Fundos de renda fixa atrelados ao CDI

É um investimento de curto prazo de renda pós-fixada que apresenta variação de acordo com o andamento do CDI e Selic. Para que você não corra riscos de prejuízos, é importante saber que a taxa de operação não pode ultrapassar o valor de 1% ao ano. É considerado um investimento seguro e com rentabilidade consideravelmente atrativa.

Para isso, é possível encontrar títulos de Letras de Crédito do Agronegócio (LCA), debêntures e alguns títulos do tesouro direto que estão ligados ao CDI e o usam como referência para definir sua rentabilidade.

Tesouro Direto

Sem dúvidas é um dos investimentos de curto prazo mais conhecidos. É uma aplicação feita por meio da negociação de títulos públicos. Apresenta taxa de rendimentos ligada à taxa de juros. Podem apresentar duas modalidades: a prefixada, com juros anuais de 10% em média, ou podem ser pós-fixadas, que serão referentes ao IPCA ou taxa da Selic.

Sendo assim, é uma opção atrativa para quem busca resgates em curto prazo, pois o Banco do Brasil se compromete a comprar qualquer título antes da data de vencimento. Dessa forma, você poderá resgatar o seu recurso no dia útil seguinte a essa compra. O Tesouro Direto tem se tornado a escolha de diversos investidores devido às baixas taxas, liquidez diária e o baixo risco.

Escolha de acordo com o seu perfil

Como pode perceber, existem diversas opções de investimentos de curto prazo. Então é imprescindível ter completo conhecimento do seu perfil como investidor, do valor que tem para investimento, o seu objetivo com a aplicação e qual o período ideal de resgate.

Sendo assim, é preciso encontrar o melhor investimento de acordo com as suas condições e necessidades, pois uma aplicação pode ser a melhor escolha para um determinado prazo e valor inicial de investimento, mas pode ser uma péssima escolha para médio e longo prazo, por exemplo. O sucesso depende de escolhas feitas de acordo com a sua condição, já que elas variam muito de situação para situação.

Os investimentos de curto prazo são ótimas opções se você não quer comprometer-se com aplicações de longos prazos ou precisa do rendimento para emergências ou outras aplicações, já que, geralmente, apresentam vencimentos em um ano ou menos.

E aí, gostou do nosso artigo? Então que tal seguir a nossa página no Facebook e nosso canal no YouTube para continuar por dentro de todas as nossas dicas e conteúdos?

Guia Pratico 2.0 Investindo em Tesouro Direto