Um dos maiores entraves encontrados pelo brasileiro que deseja começar a investir é ficar preso na dúvida entre procurar bancos ou corretoras. Acredito firmemente que isso não deva ser motivo para você deixar de investir ou perder tempo enquanto poderia fazer com que seu dinheiro trabalhasse por você.

Por isso, no artigo de hoje, vou tirar as principais dúvidas que você sempre teve sobre o assunto. Vamos ver o que muda em termos de rentabilidade, segurança, conveniência, diversidade de produtos, taxas, entre muitas outras coisas. Confira a seguir!

Rentabilidade (bancos ou corretoras)

O investidor iniciante pode até pensar que não encontrará grande diversidade quando o assunto é a rentabilidade de suas aplicações financeiras, e isso pode até desestimulá-lo a pesquisar e a comparar os números. No entanto, a grande verdade é que quase sempre as corretoras oferecem rentabilidade superior aos grandes bancos.

Isso acontece, basicamente, em virtude do fato de a concorrência não ser uma preocupação determinante no momento em que os bancos desenvolvem seus produtos financeiros. Sabemos que quando não há concorrência, a tendência é que o produto ou serviço seja mais caro.

Os bancos se aproveitam do fato de terem uma grande fartura de clientes e uma enorme facilidade de vender seus produtos aos correntistas. Dessa forma, isso faz com que não precisem trabalhar duro para ganhar o cliente e, consequentemente, nem criar condições melhores para o investidor.

Oferta de produtos

Pelos mesmos motivos que fazem a rentabilidade de um investimento ser menor em um grande banco, também a oferta de produtos costuma ser mais restrita. Para falar a verdade, os bancos costumam oferecer aos clientes apenas os seus próprios produtos.

Já na corretora, o investidor pode contar com um menu bem mais completo, podendo optar por itens disponibilizados por diversas instituições financeiras. Na corretora, o investidor tem acesso a ofertas que os bancos só fazem aos clientes que possuem muitos milhões para investir.

Outro ponto merecedor da nossa atenção é o fato de que muitos bancos oferecem produtos a título de investimento, mas que, na verdade, não são investimentos. Como exemplo, podemos citar os títulos de capitalização. Isso, em uma corretora, dificilmente aconteceria.

Risco

Imagino que o grande motivo pelo qual muitas pessoas simplesmente nem cogitam a possibilidade de procurar uma corretora é por acreditarem que passam a correr um risco maior. Isso, necessariamente, não é verdade. Contudo, esse mito parece ser bastante difundido entre investidores iniciantes que optam pelos grandes e tradicionais bancos.

Em partes, as pessoas tendem a acreditar que, ao se beneficiarem de uma rentabilidade maior, certamente correrão riscos mais elevados. Porém, nem sempre existe uma correlação direta entre uma coisa e a outra.

Além disso, esse temor está vinculado também à ideia de que se a instituição quebrar, o seu dinheiro vai embora junto com ela. Neste sentido, costumam pensar que como os grandes bancos já estão aí há muito tempo, ninguém, em sã consciência, apostaria em uma falência.

No entanto, hoje, o sistema financeiro conta com uma sofisticada estrutura voltada a proteger o investidor. Por isso, por mais que a corretora quebre, o investidor não fica desamparado. Os fundos de investimento, por exemplo, contam com um CNPJ próprio, de modo que, se a administradora ou o custodiante do fundo vier a falir, o fundo é transferido para outra e as operações continuarão normalmente. 

Já outros investimentos como CDB, LCI/LCA estão sob a proteção do Fundo Garantidor de Crédito. Com isso, podemos concluir que não há uma diferença significativa entre bancos e corretoras quando o assunto é segurança.

Qualidade do atendimento

Em geral, o investidor que conta com menos de um milhão de reais para investir costuma receber um tratamento mais generalizado, independentemente de investir em uma corretora ou em um banco.

Apesar disso, o acesso às corretoras de valores costuma ser mais fácil, já que contam com bons sites, aplicativos e outras soluções, como a possibilidade de tirar dúvidas por meio de chat. Todos eles se tornam diferenciais importantes para quem tem uma rotina movimentada e não quer perder tempo resolvendo problemas de fácil solução.

Custo

Esse é mais um quesito em que as corretoras costumam levar vantagem. Muitas corretoras não cobram taxa para abertura de conta e costumam oferecer, ainda, outros benefícios como isenção de taxas para operação do tesouro direto. Isso acontece porque grande parte da remuneração das corretoras é proveniente da instituição que oferece o produto financeiro e não do investidor.

Comodidade

Dependendo dos valores que serão investidos mensalmente, e também do quanto o investidor já paga ou está disposto a pagar por serviços financeiros, pode ser mais cômodo para ele investir no banco em que já possui uma conta-corrente.

Vamos supor que você queira investir apenas 30 ou 40 reais por mês no tesouro direto e tenha uma conta-corrente do modelo mais básico possível. Só o custo com as transferências mensais dos valores para a conta de uma corretora já faria com que você estivesse perdendo dinheiro todo mês.

No entanto, se esse não é o seu perfil, isto é, se você dispõe de valores mais elevados para investir e se tem uma conta-corrente, no banco, pela qual já paga um pacote de serviços um pouco maior (o que é a situação da grande maioria das pessoas), então, nesse caso, provavelmente também será mais vantajoso procurar uma corretora de investimentos.

Para Finalizar

Em conclusão, posso afirmar que não existe uma única resposta certa, universal e eterna a respeito da escolha entre banco e corretora no momento de investir. O que eu posso dizer é que o momento está mais para os investimentos em corretoras independentes, já que nelas, a maior parte dos brasileiros encontra as maiores vantagens.

E para ser honesto, se você é um investidor que dispõe de muitos milhões para aplicar, posso lhe garantir que será bem atendido, e terá acesso a produtos de primeira qualidade, em qualquer banco ou corretora.

Agora, se você está mais próximo do perfil do investidor brasileiro médio, então a probabilidade é grande de que venha a se sentir mais confortável em uma corretora. Nela é possível encontrar boa variedade de produtos, rendimentos maiores e atendimento de primeira. E, tudo isso, sem precisar correr riscos maiores do que correria em um banco tradicional.

E então, já decidiu qual das opções é a melhor para você? Banco ou Corretora de Valores? Caso esteja tendo dificuldades, não hesite em entrar em contato conosco. Teremos o maior prazer em atendê-lo!

Guia Pratico 2.0 Investindo em Tesouro Direto