Os fundos multimercado permitem uma grande diversificação de ativos para você que busca segurança financeira, uma aposentadoria tranquila sem depender do governo e que, para isso, já tem um capital acumulado. Com isso, esse tipo de investimento tem sido a escolha de diversos investidores que buscam aumentar a sua carteira de investimentos e a sua rentabilidade.

Contudo, é preciso ter completo conhecimento não só das suas vantagens, mas também dos riscos atrelados à aplicação, ao tripé do investimento e onde você pode fazer as suas aplicações, para evitar riscos e prejuízos.

Pensando nisso, reunimos, neste post, tudo o que você precisa saber sobre o investimento, as dúvidas mais recorrentes e algumas opções de investimento em fundos multimercado. Confira:

O que é um investimento em fundos multimercado e para que serve?

Os fundos multimercado é constituído de grupos de investidores que buscam o aplicar o seu capital em diversos tipos de negócios ao mesmo tempo. Os ativos podem ser de renda fixa, variável, ações, títulos públicos, Certificado de Depósito Bancário (CDB), câmbio e derivativos, que são contratos com vencimento futuro e derivados de outros ativos.

Sendo assim, se você busca por um tipo de investimento para aumentar os seus lucros, mas sem sofrer com as oscilações do mercado financeiro, essa pode ser uma ótima opção a se considerar.

Para que você possa entender melhor, esse tipo de aplicação faz parte de uma categoria dos fundos de investimento que podem ser processados de forma livre, ou seja, sem nenhuma exigência como as que existem nos fundos cambiais, fundos de ações e de renda fixa.

Ao longo das suas pesquisas, pode surgir a seguinte pergunta: para que servem? Os fundos multimercado que apresentam alta volatilidade servem melhor para objetivos de longo prazo, como, aposentadoria, e para investidores de perfil arrojado. Para isso, é preciso que você conheça e estipule detalhadamente a melhor estratégia a ser usada.

Já os tipos que apresentam baixa volatilidade podem ser traçados como objetivos de curto e médio prazo, como, investimento em estudos, viagens, compra de bens mais caros e para investidores de perfil conservador.

Quais são as características dos fundos multimercado?

A principal e mais marcante característica é a sua versatilidade e possibilidades de diversificação. A partir disso, você poderá montar inúmeras estratégias que vão de acordo com a situação do mercado financeiro, cenário econômico e as suas necessidades, o que possibilita passar por grandes momentos de oscilações. Mas é preciso ter cuidado, pois essa liberdade poderá aumentar os seus riscos.

Outra característica a ser considerada é, como dissemos, esses fundos não há regulamentações sobre onde você deverá investir, o que acarreta diversas vantagens em comparação a outros tipos de aplicações.

Diferente dos fundos de renda fixa que você deve ter pelo menos 80% dos seus investimentos, ou nos fundos de ações que você deve aplicar pelo menos 67% dos seus investimentos, os fundos multimercado possibilitam que você faça investimentos 100% em um ativo, seja de renda fixa, seja de ações.

No mais, essa flexibilidade não requer que você siga somente um tipo de estratégia e objetivo. Com isso, cada ativo poderá ser administrado de acordo com a sua peculiaridade, situação e atuação.

Quais são as vantagens de investir em fundos multimercado?

Além das características de diversificação e flexibilização serem também vantagens desse tipo de aplicação, existem ainda outros pontos que devem ser considerados que podem lhe atrair nesse tipo de investimento. São eles:

Alavancagem

A alavancagem é referente às operações com recursos superiores ao valor do capital que você investiu. Com isso, tem como função e objetivo aumentar a rentabilidade da sua carteira e proteger os seus recursos de oscilações e mudanças que podem ocorrer na sua estratégia.

Dessa forma, podemos enxergar a alavancagem como uma proteção contra prejuízos e perda de recursos, mas ela não é uma regra, principalmente para investidores iniciantes e para os principais investimentos dos fundos multimercado.

Amparo de especialistas

Ter a possibilidade de estar amparado e deixar que o seu investimento seja da gestão de um especialista é de grande vantagem. O administrador da sua carteira estará preparado, a qualquer momento, para fazer mudanças estratégicas de acordo com a variação e necessidade do mercado financeiro e cenário econômico nacional e do exterior.

Deixar as suas aplicações paradas e desamparadas é uma prática muito perigosa e que pode levar você a perder dinheiro e ter muito estresse. Então, ninguém melhor que um profissional para fazer o seu patrimônio aumentar com tranquilidade, não é mesmo?

Quais são as tributações dos fundos multimercado?

O Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) e o Imposto de Renda (IR) incidem sobre os fundos multimercado. Para isso, o imposto de renda será cobrado de acordo com a tabela regressiva e o prazo da sua aplicação. A declaração do imposto de renda ocorrerá sobre os rendimentos provenientes dos fundos de renda fixa. Sendo assim, seguirá os seguintes prazos para cobrança somente sobre os rendimentos:

  • investimentos de até 180 dias; 22,5%;

  • investimentos de 181 a 360 dias: 20%;

  • investimentos de 361 a 720 dias: 17.5%;

  • investimentos acima de 720 dias: 15%.

Contudo, é preciso estar atento, pois, o valor descontado do seu resgate será cobrado no último dia útil dos meses de maio e novembro de cada ano de aplicação. Para isso, considerará o menor percentual, ou seja, 20% para os fundos que são de curto prazo e 15% para os de longo prazo. Esse recolhimento é feito de forma automática a cada 6 meses.

Em relação o IOF, ele somente será tributado caso você faça o seu resgate entes da data de vencimento, em um prazo inferior a 30 dias.

Quais são os riscos dos fundos multimercado?

Como nem tudo são flores, assim como qualquer outro tipo de aplicação, essa apresenta alguns riscos de investimento, apesar de que a sua flexibilidade quanto a diversificação diminui inúmeros riscos.

Sendo assim, o nível do risco vai de acordo com fatores, como nível de experiência do seu gestor já que ele atuará de forma direta nas decisões relacionadas ao cenário econômico, escolha dos ativos e percentual do patrimônio. É preciso estar atento também a rentabilidade do fundo, pois, quanto mais rentável mais instável ele pode ser, o que aumenta o risco.

Por isso, é de muita importância a escolha do gestor, que é quem tomará as decisões, administrará e controlará cada fundo. Desta forma, é preciso que você pesquise muito bem sobre esse gestor, para saber se ele é qualificado para essa função.

Como você pôde perceber até aqui, os fundos multimercado podem passar por períodos de grande e grave crise de forma tranquila e sem prejuízos, mas da mesma forma, podem ocorrer situações que impactarão negativamente a estratégia utilizada e até mesmo gerar grandes perdas.

Contudo, como os ativos desses fundos são indicados para médio e longo prazo, as oscilações momentâneas podem ser vencidas se você e seu gestor aguardarem a hora certa para fazer o resgate ou traçar novas metas. Além disso, há três riscos que é necessário estar atento. São eles:

1. Risco de alavancagem

Outro risco que pode lhe acompanhar nos fundos é o mau uso da alavancagem, que apesar de lhe beneficiar com ganhos elevados, lhe expõe a possíveis grandes riscos de perdas ocasionando sérios prejuízos. Além disso, você não estará amparado pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC) em caso de perdas como investimentos em CDB e letras de crédito.

2. Risco de crédito

Assim como a maioria dos investimentos disponíveis no mercado financeiro, os fundos multimercado podem sofrer com o risco de crédito, que está relacionado ao emissor do título quando ele não honra com a sua dívida e o cumprimento das obrigações.

3. Risco de estratégias

Há possibilidades da estratégia empregada pelo seu gestor não cumprir com as expectativas e apresentar resultados nada satisfatórios a depender do nível de agressividade do fundo.

5 tipos de fundos de investimentos

Agora que você entendeu o que são fundos multimercado, como funcionam, sua tributação e cuidados para analisar os riscos, que tal conhecer alguns tipos de aplicações desses fundos? Confira os 5 mais comercializados no mercado financeiro:

1. Macro

Nesse tipo de investimento, as estratégias de recursos e operações são feitas em diversos ativos de renda fixa, câmbio, renda variável e outros. Seu risco está justamente relacionado a essa diversificação de classes de ativos.

O Macro define as estratégias por meio de avaliações do cenário macroeconômicos tanto de médio prazo quanto de longo. Ou seja, é feita uma antecipação do cenário que estipula o preço dos ativos futuros de moeda, câmbio, renda fixa, entre outro.

Esse tipo de investimento e estratégia tem o diferencial por serem de baixa, média ou alta volatilidade para que os investidores possam ter um campo de abrangência maior.

2. Crédito estruturado

Geralmente são aplicações feitas em títulos devedores de desconhecidos, como, debêntures, letras financeiras, títulos e valores imobiliários. Por isso, são investimentos de renda fixa que não disponibilizam alavancagem, mas são uma ótima escolha para iniciantes de investimentos.

Os fundos de crédito estruturado apresentam retornos maiores em comparação ao CDI, mas, em contrapartida, o prazo de resgate é mais longo. Dessa maneira, as empresas conseguem recursos para financiar as suas dívidas sem assumi-las.

3. Long and short

Esse tipo de investimento e estratégia é dividido em duas modalidades, a direcional e neutro. A direcional é de renda variável em que tem como objetivo montar posições vendidas e compradas simultaneamente. Isto é, ocorre quando o seu gestor adquire ações de uma empresa pouco valorizada na esperança de que os preços se elevem e, ao mesmo tempo, ele vende as ações de outra que está em alta.

O objetivo é vender antes de comprar para que possa gerar lucro. Já na posição neutro, apesar de também ser de renda variável, se diferencia no objetivo que é de expor o mercado de forma neutra, mas cautelosa.

Resumindo, a estratégia long and short visa diminuir ou até mesmo anular o impacto das oscilações do mercado na sua carteira de investimentos, por meio de ações para encontrar o melhor funcionamento e desempenho do mercado ou do que as posições vendidas.

4. Multiestratégia

Como o próprio nome remete, esse investimento visa múltiplas estratégias, mas sem o compromisso de adotar alguma em particular. Para isso, são feitas amplas e completas avaliações de cada retorno e risco ao considerar a situação de cada ativo e do cenário macroeconômico. Assim como na estratégia macro, o risco está relacionado às diversas classes de ativos envolvidos.

5. Long Biased

Assim como os outros investimentos dos fundos multimercado, o Long Biased é de renda variável. Semelhante ao long e short, também funciona a base de compras e vendas simultâneas. Contudo, esse tipo de investimento não dispõe da obrigatoriedade de ficar com as posições que foram vendidas. Com isso, se o seu gestor tiver a esperança de que o mercado estará em alta, há a possibilidade de posicionar completamente a sua carteira para as compras.

Dessa maneira, os long biased são capazes de diminuir as perdas e ter resultados satisfatórios em momentos que o mercado financeiro apresenta baixa. E quando estiver em alta no mercado, esses fundos conseguem utilizar o baixo desempenho de algumas ações para aumentar a sua rentabilidade.

Uma das estratégias para ganhar com essa baixa é por meio do aluguel ou empréstimo de ações, que são operações realizadas quando se acredita na desvalorização de um papel. Para isso, o doador (dono da ação) emprestará o seu papel por um prazo pré-determinado para um terceiro, chamado de tomador, em troca de uma taxa.

Geralmente esse doador é um investidor de longo prazo que não tem a intenção de vender as suas ações, mas que quer diminuir prováveis perdas com a queda dos preços por meio de alguém. Com o recebimento da taxa, esse investidor consegue reduzir consideravelmente os prejuízos que ele poderá sofrer.

Dessa maneira, o tomador com a esperança de que a ação alugada será desvalorizada, as vende no mercado com o objetivo de recomprá-las a um preço mais baixo por conta da sua desvalorização.

Qual a estrutura de cada fundo?

O fundo de investimento é composto por, basicamente, quatro participantes que são    

  • Administrador: tem como função documentar processos e recursos como, resgates, venda e compra de ativos, documentação de cotas, resgates e aportes. Comumente, essa parte burocrática é feita por um banco;    

  • Custodiante: é a instituição que guarda todos os recursos dos títulos de cada fundo, ou seja, funcionam como um cofre. Sendo assim, devem ser de completa confiança e segurança;  

  • Distribuidor: são as instituições que disponibilizam os fundos;    

  • Gestor: responsável pelas tomadas de decisões e definição das estratégias, metas que envolvem o seu fundo.     

Como escolher os fundos multimercado?

Para escolher o melhor fundo multimercado, além de estar de completo acordo com o seu perfil como investidor, objetivos e necessidades, é preciso estar atento a algumas questões e pontos que influenciam diretamente na sua rentabilidade. Estes pontos são:

Liquidez

A liquidez é o prazo que um fundo levará para devolver a sua aplicação. Essa devolução, ou resgate poderá ser feita de duas maneiras. Por um primeiro prazo para a transformação do valor solicitado em determinado número de cotas ou por um segundo prazo que será para disponibilizar o dinheiro a você.

Desta maneira, a liquidez pode apresentar muita variação, então, não deixe de avaliar ou de perguntar ao seu gestor sobre os prazos para não ser pego de surpresa e comprometer os seus planos quando chegar o momento do resgate.

Histórico do fundo

A avaliação de um fundo é uma forma de analisar e ponderar se os resultados são consistentes e satisfatórios por longos períodos ou se apresentam bons resultados somente nos últimos anos. Assim também é possível perceber se a equipe gestora tem feito um bom trabalho e se tem estabelecido estratégias que supram as suas necessidades sem apresentar quedas ou prejuízos.

Sendo assim, você pode perceber que mesmo que um fundo apresente ótima rentabilidade nos ciclos anteriores, isso não é certeza de que essa ação é uma boa escolha para os seus investimentos, uma vez que resultados não asseguram o comportamento dos fundos.

Volatilidade

A volatilidade, nada mais é, do que o percentual de oscilações que um fundo pode apresentar em média na rentabilidade. Então, os fundos que são mais voláteis, geralmente, são indicados para investidores que se planejam em longo prazo, já que requer mais tempo para a recuperação. Dessa forma, quanto maior a volatilidade mais instável será a sua rentabilidade em curto prazo.

Estratégias

Como dissemos e mostramos, existem diversas estratégias que podem ser aplicadas em um fundo multimercado, algumas apresentam mais risco, porém, maior rentabilidade, já outras apresentam riscos menores, no entanto, a rentabilidade pode deixar a desejar.

Para isso, é de extrema importância que você tenha completo conhecimento sobre o seu contrato e sobre documentos relacionados ao fundo, tais como o regulamento e o prospecto. Isso o ajudará a saber qual estratégia será mais adequada na sua aplicação, já que os seus ganhos, de certa forma, dependerão disso.

É preciso estar certo de que se a estratégia adotada é indicada para as suas necessidades e condições do investimento que você escolheu. O prospecto refere-se às estratégias e objetivos de cada fundo. Por isso, é considerada uma etapa de grande importância na escolha de um fundo para aplicações.

Um exemplo que pode ajudar você a entender melhor são os fundos balanceados que fazem uso da estratégia de alocação dos ativos, mas que não permitem a utilização da alavancagem. Em contrapartida, o tipo de fundo long e short usam da volatilidade para aumentar a sua rentabilidade e com isso carregam um risco maior.

Esteja sempre atento a estratégia que será usada e mesmo que o seu gestor seja de confiança e lhe traga ótimos resultados, esteja sempre presente e a par de tudo que acontece com cada aplicação.

Alavancagem

A alavancagem é outro ponto de muita importância que deve ser estudado para fazer qualquer investimento nos fundos multimercado. Com isso, certifique-se que a permissão ou proibição da alavancagem está completamente clara e descrita nos documentos de cada fundo e coloque na balança se você quer e pode correr os riscos atrelados a ela.

Taxas de administração e de performance

Assim como em outros tipos de investimentos, os fundos multimercado descontam taxas de administração. Essas taxas são utilizadas como recursos para pagar o trabalho de todos os envolvidos na sua equipe gestora.

No entanto, as taxas podem ser mais baixas do que em outros investimentos se comparado a sua rentabilidade no final das contas. Geralmente, essa administração requer entre 1,5% e 2% ao ano. A performance também é uma taxa em que a sua cobrança somente é feita, quando a sua equipe gestora consegue bons resultados e superem algum indicador de referência, o que funciona como incentivo.

Como saber se os fundos multimercado são uma boa opção para o meu perfil?

Para saber se você pode investir ou se eles estão de acordo com o seu perfil, você poderá analisar alguns pontos.

O primeiro deles é o valor da aplicação inicial que pode variar muito de fundo para fundo, mas fica entre R$ 100 e R$ 50.000 mil. O segundo ponto a se considerar é que o valor para fazer resgates ou novos aportes também apresentam muitas oscilações, então é preciso encontrar um que esteja de acordo com a sua realidade e objetivos.

No mais, é muito importante estar ciente que esse tipo de aplicação disponibiliza, em sua grande maioria, níveis agressivos de risco e que, apesar de encontrar investimentos conservadores ou moderados, eles são de menor rentabilidade e possuem oscilações negativas em aplicações de curto prazo.

Como a maioria dos tipos de investimentos, os fundos multimercado apresentam riscos, oscilações e custos. No entanto, é preciso escolher cautelosamente o seu gestor e os fundos que deseja aplicar. Lembre-se sempre que a diversificação é uma ótima prática. No final das contas, esse investimento pode lhe beneficiar com rentabilidades e vantagens que outras aplicações dificilmente vão lhe proporcionar.

Quer ficar por dentro de mais dicas como essa e do mundo dos investimentos? Então assine a nossa newsletter e não perca nada!

Guia Pratico 2.0 Investindo em Fundos Imobiliários