“Viver de aluguel” – Você já deve ter ouvido falar que a compra do imóvel próprio é o sonho de consumo da maioria dos brasileiros. Mas será que, financeiramente falando, a preferência popular reflete a melhor opção?

Há vários dados que comprovam que, ao contrário do senso comum, viver de aluguel é a melhor alternativa para quem pensa em investir. O porquê, você confere neste artigo, que preparamos especialmente para tratar sobre o assunto.

Viver de aluguel é jogar dinheiro fora?

O raciocínio da maioria das pessoas que acreditam não valer à pena viver de aluguel é que o dinheiro pago ao proprietário do imóvel é desperdiçado, uma vez que poderia ser empregado para a aquisição de um bem próprio. 

Na verdade, tal pensamento não é exatamente verdadeiro, pois algumas variáveis deveriam ser levadas em conta. Normalmente, as pessoas imaginam que o custo do aluguel é caro por avaliar apenas o valor absoluto do dinheiro e seu impacto no orçamento pessoal.

É preciso ponderar, no entanto, que a quantia paga de aluguel, se comparada ao valor do imóvel, é proporcionalmente muito pequena. Em outras palavras, o retorno que o proprietário do imóvel recebe por alugar o bem é muito reduzido, até mesmo inferior à caderneta de poupança.

Valor do aluguel x capacidade de pagamento

Um erro muito comum, que leva as pessoas a enxergarem o aluguel como uma realidade desfavorável, é preferir imóveis cuja locação excede a capacidade de pagamento. Com isto, a sensação de desconforto e desperdício de dinheiro é ainda maior.

Casa “própria”: compromisso de longo prazo

Outro aspecto que não é devidamente avaliado é o prazo do financiamento imobiliário. Quem financia um imóvel, assume um compromisso que pode se prolongar por décadas, ou seja, uma dívida para a vida toda.

É importante destacar que, em um financiamento, o imóvel só se torna efetivamente propriedade do comprador após a quitação de todas as prestações. Caso haja atraso no pagamento das parcelas o mutuário pode até mesmo perder o imóvel.

Vantagens financeiras em viver de aluguel

Ao compararmos, em uma projeção a longo prazo, as diferenças em relação ao financiamento imobiliário, as vantagens em viver de aluguel se tornam ainda mais evidentes.

Para termos uma ideia, vale observar que, caso uma pessoa opte por financiar o próprio imóvel onde vive de aluguel, o valor das prestações do financiamento será mais elevado do que o que é pago até então.

A diferença entre os dois valores, que à primeira vista pode parecer pequena, atinge dimensões consideráveis se consideramos a longa duração do financiamento. Tal diferença, preferencialmente, deve ser utilizada para incrementar seus investimentos.

Aluguel x financiamento

A fim de traçarmos um comparativo, vamos tomar por base um imóvel de R$ 450 mil, que será financiado em 360 vezes com uma taxa de juros de 9% ao ano. Considerando uma entrada no valor de R$ 50 mil, teríamos um financiamento de R$ 400 mil.

Realizando uma simulação, teríamos ao final de trinta anos um custo total de aproximadamente R$ 866 mil, o que equivale a mais que o dobro do valor do imóvel. Além disso, a prestação inicial seria de aproximadamente R$ 4.352, ou seja, pouco mais de R$ 1.800 além do aluguel, estimado em R$ 2,5 mil. 

Portanto, além de manter aplicados os R$ 50 mil que seriam utilizados para dar a entrada do financiamento, ao ficar no aluguel você teria mais R$ 1.800 para investir a cada mês. Em doze meses, considerando uma rentabilidade anual de 12%, o total acumulado seria de R$ 78.764.

Evidentemente, é preciso levar em conta que, aplicado o sistema SAC (amortização constante), o valor das prestações do financiamento seria decrescente, o que diminuiria a diferença entre a prestação e o valor do aluguel com o passar dos anos. 

Ainda assim, com os juros compostos trabalhando a seu favor, os resultados seriam altamente satisfatórios caso você optasse por viver de aluguel e intensificar os investimentos. Com a vantagem de que o dinheiro acumulado seria seu, e não do banco.

Comprar à vista ou permanecer no aluguel?

Mesmo quem tem condições de comprar um imóvel à vista pode encontrar bons motivos para permanecer no aluguel. A rentabilidade obtida pode superar o valor pago ao proprietário do imóvel.

Tomaremos por base uma pessoa que possui R$ 500 mil para comprar um imóvel à vista, mas prefere manter a quantia investida. Na hipótese de que o valor permaneça aplicado em investimentos que rendam 1% ao mês, o investidor contaria com um rendimento mensal de R$ 5 mil. 

Tal rendimento certamente superaria o valor do aluguel, que no caso de um imóvel de R$ 500 mil estaria em torno de R$ 2,5 mil por mês. Neste caso, sobrariam outros R$ 2,5 mil, que poderiam ser direcionados para novas aplicações.

A título de exemplo, um investimento de R$ 2,5 mil por mês durante trinta anos (tempo estimado para o financiamento) com uma taxa de rendimento conservadora, de 0,88% a.m. renderia o valor bruto aproximado de R$ 6,400 milhões no CDB.

Para investir a cada mês o valor equivalente à diferença entre o aluguel e o que seria pago em um financiamento imobiliário, ou a sobra da rentabilidade menos a locação, é preciso uma boa dose de disciplina. Vale lembrar, contudo, que se o imóvel fosse próprio, você não contaria com este dinheiro no final do mês.

O fato de milhões de brasileiros dedicarem seus esforços, durante praticamente a vida toda, para realizar o sonho da casa própria não significa necessariamente que esta é a melhor opção. Até porque as estatísticas dos índices de endividamento comprovam que, infelizmente, a educação financeira não é o ponto forte da maioria da população.

Se você está se planejando para comprar um imóvel próprio, é recomendável pensar duas vezes. Não se deixe levar pelo senso comum e coloque os números na ponta do lápis. Viver de aluguel pode ser uma excelente estratégia para você alcançar a tão almejada independência financeira.

Então, gostou do artigo? Não se esqueça de ficar atento ao mercado financeiro para fazer os melhores investimentos. Assine nossa newsletter e confira, em primeira mão, as últimas novidades.

Guia Pratico 2.0 Investindo em Fundos Imobiliários